Barrense – Copa Arizona

A conquista da etapa estadual da Copa Arizona de Futebol Amador foi uma vitória importante para o Esporte Clube Barrense, mas também para a comunidade. Artilheiro da copa com sete gols, o jogador Gilson Campos, conta que a disputas durante a copa e a vitória causaram uma grande movimentação na Barra do Jucu. “A comunidade lotava as imediações do campo nos dias de jogos e também nos acompanhava nos jogos fora de casa. Era uma agitação total”.

Gilson se lembra que a ida para o Rio de Janeiro disputar com o campeão carioca, o São Francisco Xavier Imóveis, também foi cheia de boas surpresas.“Muitos de nós nunca tinha saído de Vitória, nunca tinha entrado num avião, e tudo foi muito novo. Ficamos hospedados em Copacabana, jogamos no campo do Bom Sucesso e fomos conhecer o Maracanã, tudo foi uma festa”, afirma. O Barrense perdeu este jogo e no jogo de volta, realizado no estádio Engenheiro Araripe, da Desportiva Ferroviária, o jogo terminou empatado, o que tirou o time da Barra do Jucu da disputa.

Torcida

Mas não foram apenas os jogadores e comissão técnica que foi ao Rio de Janeiro. A torcida alugou dois ônibus, comprou medalhas para os jogadores e compareceu ao campo carioca. Quem conta essa história é Aparecida Tonassi Campos, a Cida, que Gilson Campos conheceu jogando no Barrense. Os dois se apaixonaram, se casaram  e continuaram acompanhando o clube do coração.

Cida participava da Torcida Feminina do Barrense e afirma. “Onde o time ia joga, nós íamos juntas. Se fosse necessário, até brigávamos com os adversários. A gente chegava no campo de camiseta, com bandeiras do time e cantando nosso hino, tudo para intimidar o outro time”, afirma. A torcida feminina era tão fiel ao clube que tinha um hino próprio e do qual Cida Tonassi ainda se lembra da letra:

Hino da torcida feminina do Barrense na década de 70

“Quem vai querer jogar com o Barrense jogar

Sabendo que vai perder!!

Pois o Barrense é camarada

Ele só dá de goleada…

Pra facilitar a quem vai jogar

No primeiro tempo ele dá colher de chá.

Quem vai querer jogar com o Barrense jogar

Sabendo que vai perder!!”

Gilson Campos jogou no time titular do Barrense de 1971 a 1984, depois saiu e foi jogar no time master com os veteranos. E hoje ainda participa do clube como sócio e presidente do conselho fiscal. “O Barrense pertence à comunidade, faz parte da sua história, e é muito importante para todos nós”, afirma.

Saiba mais sobre a história do Barrense aqui.